Os Sistemas Agroflorestais (SAFs) dirigidos pela sucessão natural

Conferindo no campo a influência da implantação e do manejo sobre a vegetação e a fertilidade do solo

por Fabiana Mongeli Peneireiro
Engenheira Agrônoma - MsC em Ciências Florestais na ESALQ/USP
Escola da Floresta - Rio Branco - AC
email:[email protected].(tirar_essa_parte).yahoo.com

Originalmento publicado em:
Boletim AgroEcológico no. 10 – Fev/99 - p.15-16
www.agroecologica.com.br


O estudo dos sistemas agroflorestais (SAF) dirigidos pela sucessão natural, desenvolvidos por Emst Götsch, agricultor-pesquisador, em suas terras, na região da Mata Atlântica - Sul da Bahia, foi motivo de uma dissertação de mestrado em Ciências Florestais na ESALQ/USP, intitulada ainda provisoriamente: "Sistemas Agroflorestais: um estudo de caso sob uma abordagem sistêmica". Em linhas gerais, conferiu-se no campo as conseqüências da implantação e do manejo de um SAF dirigido pela sucessão natural sobre a vegetação e a fertilidade do solo, levantando-se dados sobre quatro compartimentos do ecossistema: vegetação, solo, serapilheira e fauna do solo, procurando-se, numa abordagem sistêmica, compreender as inter-relações entre esses compartimentos. Para isso, comparou-se duas áreas muito próximas, com características de solo, relevo, histórico e perturbação muito semelhantes. Há doze anos atrás, as áreas eram fisionomicamente muito parecidas, com mesmo tipo de vegetação (decorrente de uma pastagem degradada). Em uma delas foi instalado um SAF enquanto a outra foi deixada abandonada, tendo, naturalmente, ocorrido regeneração natural, apresentando hoje uma vegetação que chamamos de Capoeira.

A validade científica do trabalho do Ernst é entendida aqui como um rico processo de compreensão, experimentação e síntese de conceitos, que indica um caminho, não sendo um rumo aleatório para a condução do sistema de produção (SAF), mas uma direção lógica, fundamentada em conceitos provenientes das observações e processamento das informações na interação entre experimentação, raciocínio e intuição.

"Estou tentando criar, em cada parte do mundo onde intervenho como agricultor, agroecossistemas que sejam parecidos, na sua estrutura (ou sua forma de funcionar) e na dinâmica, ao ecossistema natural e original do lugar. Ao mesmo tempo, tento deixar como resultado de todas as minhas intervenções (operações), um resultado positivo no balanço de vida e de energia complexificada em carbono, tanto no subsistema da minha intervenção, quanto no macroorganismo Planeta Terra. Ou, em outras palavras: para cada passo que ando e para tudo em que intervenho, previamente me pergunto: o que posso fazer para que, como resultado da minha presença e das minhas intervenções nasça(m), se desenvolva(m) um sistema(s) mais próspero(s), mais vida com toda a sua abundância e mais complexidade em todos os seus aspectos no Planeta Terra, do qual somos parte, e não mais importantes do que todas as outras espécies?." (Götsch)

Com este objetivo, Ernst realmente está conseguindo recuperar terras degradadas e improdutivas, transformando-as em produtivas, com alta biodiversidade, mostrando que é possível aliar produção à conservação dos recursos naturais. Foi justamente o que se obteve como conclusão para este estudo de caso:

1. Sistema Agroflorestal dirigido pela sucessão natural apresentou-se como um sistema comprovadamente capaz de recuperar áreas degradadas e manter-se produtivo;
2. As vegetações das duas áreas estudadas (Capoeira e SAF) mostraram-se completamente diferentes depois de 12 anos, ao se efetuar manejo em uma (área de SAF) e ter deixado em pousio a outra (Capoeira), indicando um avanço na sucessão vegetal acompanhada pelo avanço sucessional da fauna do solo;
3. A dinâmica da matéria orgânica, conferida pelo manejo, aumenta a atividade da biota do solo, sendo a principal responsável pela ciclagem bio-geoquímica eficiente na área de SAF;
4. A implantação e condução do SAF mudou completamente a cobertura vegetal da área manejada (SAF) assim como a qualidade da serapilheira, fertilidade do solo e macrofauna, indicando que houve avanço na sucessão vegetal assim como melhoria da qualidade dos recursos para a vida (fertilidade do solo, dinamização da ciclagem dos nutrientes) se comparada com a área de Capoeira (ou seja, se não tivesse sido realizada a intervenção).

Com o intuito de apresentar os dados concretos obtidos na pesquisa de campo, utilizaremos de duas tabelas, a Tabela 1, mostrando os dados levantados nas áreas de SAF e Capoeira, devidamente comparados com a ferramenta do teste estatístico, e a Tabela 2, como referência para alguns parâmetros de fertilidade, para ajudar o leitor na compreensão dos valores obtidos neste estudo de caso.

Sabe-se que o elemento fósforo é encontrado, nos solos tropicais, disponível em baixíssimos teores, e é considerado um dos elementos mais limitantes dos ecossistemas agrícolas. E foi justamente o fósforo que mostrou os teores mais surpreendentes: na área de SAF, apresentou-se aproximadamente 7 vezes maior, na camada de 0 a 5 cm, e cerca de 4 vezes maior na camada de 5 a 20 cm, se comparados com os teores encontrados na área de Capoeira, como pode-se observar no gráfico (Figura 1).

Apesar de não ter sido adicionada nenhuma fonte do elemento fósforo nas áreas estudadas, os teores apresentaram-se evidentemente muito distintos entre as áreas de SAF e de Capoeira, principalmente nas camadas superficiais. Se os teores em profundidade (de 40 a 60 cm) apresentaram-se semelhantes, e se trata-se do mesmo solo, com mesmo histórico, se não foi acrescentado fósforo, como explicar essas altas quantidades desse nutriente disponível nas camadas superficiais do solo?

De onde veio esse fósforo?

Para tentar responder esse aparente paradoxo, efetuou-se análise de fósforo total, como pode-se vislumbrar na Tabela 3.

A partir desta informação pode-se concluir que o fósforo contido no solo de forma indisponível está sendo disponibilizado nas camadas mais superficiais do solo. Isso nos possibilita deduzir que alto teor de fósforo solúvel encontrado na camada superficial do solo, na área de SAF, pode ser explicado pelo fenômeno conjunto de bombeamento dos nutrientes das camadas mais profundas do solo pelas raízes das árvores, acelerado pela poda, que fornece grandes quantidades de matéria orgânica de alta qualidade (fresca) para a serapilheira e dinamização da biota do solo que disponibiliza os nutrientes, tanto da matéria orgânica e do solo, quanto via associações simbióticas das plantas com fungos e bactérias

Sabe-se que minhocas, e outros componentes da macrofauna do solo, podem aumentar, a curto prazo, a disponibilidade dos minerais nitrogênio e fósforo derivados do litter (folhedo) ou do solo, ao transformar a matéria orgânica depositada sobre o solo, ativando a atividade da mesofauna e microbiota do solo.

Interferindo na vegetação pela introdução de espécies e seu manejo, automaticamente interfere-se sobre o solo e sobre a vida que ocorre nele, e, assim, as mudanças vão ocorrendo paralelamente em todos os compartimentos do sistema. Com o manejo do SAF, ao dirigir a sucessão natural (inserindo ou conservando as espécies mais avançadas na sucessão e "eliminando" as que já cumpriram seu papel na sucessão, através da capina seletiva, poda e plantio adensado de consórcios), dinamiza-se a biota do solo (os dinamizadores do sistema), contribuindo com mudanças relativas à fertilidade do mesmo, que também evoluem no sentido de sustentar as espécies mais exigentes, que ocorrem ao se avançar no processo sucessional das espécies.

O homem, ao atuar participativamente no sistema (Götsch, 1995), potencializa os mecanismos naturais, uma vez que, ao efetuar um manejo que intensifique a atividade da macrofauna do solo, dinamiza a microbiota do solo, que por sua vez disponibiliza nutrientes e outras substâncias que contribuem para a fertilidade do substrato e o desenvolvimento das plantas. Pode-se dizer que, assim, está-se indiretamente contribuindo para uma fertilização natural (a própria natureza trabalhando na melhoria das condições ambientais, que contribuem para o desenvolvimento de uma vegetação mais exigente em fertilidade de solo, aeração e umidade).

Tabela1. Caracterização da fertilidade do solo (exceto micronutrientes) para as duas áreas comparadas (SAF e Capoeira)
mEq/100g

Profund.

PH H2O
PH KCI
PH CaCI2
M.0%
P2O5 ppm
K2O
Ca
Mg
Al
H+AI
SB
T
V%
m%
Alx100/T
SAF
0-5
5,59
5,49
5,42
17,09
29
0,16
11
8,2
0
3,86
19,48
23,22
83,4
0
 
**
**
**
ns
**
ns
**
**
**
**
*
**
**
5-20
5,39*
4,96*
4,82
4,27
12,9
0,08
4,53
2,71
0,15
5,86
7,32
13,18
54,7
2,8
 
*
*
**
ns
**
ns
**
**
**
**
**
ns
**
**
40-60
5,10
4,50
4,29
2,2
2,7
0,03
0,99
0,58
0,52
5,38
1,6
6,98
22,9
27,2
 
ns
ns
ns
ns
ns
ns
**
**
*
*
**
ns
**
**
Capoeira
0-5
5,28
4,57
4,57
19,04
4
0,17
5,46
1,7
0,37
10,94
7,34
18,27
41,1
5,8
5-20
5,05
4,09
4,09
4,48
2,96
0,09
1,31
0,63
0,93
9,96
2,03
12
17,5
33,76
40-60
5,07
4,2
4,2
2,34
2,24
0,03
0,37
0,15
0,7
6,71
0,55
7,25
7,9
56,4

Obs.: Os dados relativos a S-SO4 tem como unidade mg/dm3 e cada profundidade amostrada (para este nutriente) é proveniente de uma amostra composta de cinco sub-amostras por área (0,5ha), por isso não foi submetido a teste estatístico. Para os outros atributos da fertilidade do solo, os dados são provenientes da média de 25 amostras compostas de 3 sub-amostras. Neste caso, os dados fora analisados pelo teste t - de student pareado e observou-se diferença significativa ou não entre as áreas comparadas para cada profundidade de solo indicada, de acordo com a simbologia: ** significância a 0,01 ou 1% (há maior diferença estatística entre as áreas comparadas), * significância a 0,5 ou 5% (há diferença estatística significativa entre as áreas comparadas), ns - não significante (não há diferença estatisticamente significativa entre as áreas comparadas).

Tabela 2. Caracterização da fertilidade de solos brasileiros para cultivo de cacau para os 20cm superficiais do perfil.
Parmetros
Fertilidade relativa
 
alta
mdia
baixa
pH (em gua, 1:2.5)
7,5-6,0
6,0-5,0
<5,0
% matria orgnica (combusto mida)
>3,5
3,5-2,5
<2,5
P (ppm) (MehlictVs method)
>15
6-15
<5
K (mEq/100g) (Mehlich's method)
>0,31
0,30-0,11
<0,11
Ca + Mg(mEq/100g)
12-6
6-3
<3
% saturao de Al (KCI extrao)
0-10
10-25
>25
ALVIM, P. deT. e KOZLOWSKI, T.T. Ecophysiology of Tropical Crops, 1997

Tabela 3. Teores de fósforo total nas três profundidades amostradas, para as duas áreas estudadas (SAF e Capoeira)

P2O5 total %
Profundidade
Capoeira
    SAF    
0-5
0,06
0,13
5-20
0,03
0,08
40-60
0,12
0,05

Figura 1

Bibliografia
GÖTSCH, E. O Renascer da Agricultura. Rio de Janeiro: AS-PTA, 1995.

Lomadee, uma nova espécie na web. A maior plataforma de afiliados da América Latina

 

*** Versão antiga do site - em processo de conversão ***